Sal cor-de-rosa é o conto do vigário da vez

Nos longínquos anos 1970, houve um rápido frisson entre a criançada com algo que tomou de assalto as bancas de revista, bazares e lojas de tranqueiras em geral: os kikos marinhos.

De acordo com a descrição na embalagem – uma cartolina imaginativamente ilustrada –, tratava-se de criaturas aquáticas minúsculas e altamente inteligentes. Sua aparência, meio humanoide, meio cavalo-marinho, remetia aos seres dos reinos submarinos do lixo televisivo que a gente via naquela época.

O conteúdo do pacote kikos marinhos era: um envelope com ovos, outro com alimento e mais um com o “purificador” de água. Qualquer bacia serviria de lar para as incríveis mascotes – conhecidas nos Estados Unidos como sea monkeys (“macacos marinhos”).

O entusiasmo infantil durou muito pouco porque, uma vez eclodidos, os ovos se transformavam em larvas nanométricas que morriam em questão de dois ou três dias. Nenhum pai ou mãe inteligente comprava um segundo jogo de kikos marinhos para o filho.

Poucos anos mais tarde, pré-adolescente, comecei a criar peixes de aquário. Algumas espécies só se alimentavam de coisas que se moviam: comida viva. Para o apetite desses peixes gourmet, as lojas especializadas vendiam ovos secos de um camarãozinho dos lagos salgados do oeste norte-americano: a artêmia. Era preciso levar também a comida da comida de peixe, levedura de cerveja.

Logo percebi que a artêmia era o kiko marinho sem história da carochinha e com preço 90% menor. O tal “purificador” do kit infantil não passava de sal.

O que os kikos marinhos têm a ver com o sal rosa do Himalaia?

Simples: até hoje ninguém perdeu dinheiro ao apostar na credulidade do consumidor.

O mundo, em números absolutos, agora tem muito mais otários do que nos anos 1970. E muito mais espertalhões para faturar em cima desse exército de gente ingênua. Vide a propagação de fake news nas redes sociais. Vide o hambúrguer de picanha. Vide as dietas milagrosas que surgem a cada semana.

Vide a placa que eu vi ontem, na cantina de um estúdio de pilates perto da minha casa: “Nossa cozinha trabalha somente com sal rosa do Himalaia”.

O sal cor-de-rosa, quimicamente, pode ser representado pela molécula NaCl, cloreto de sódio, exatamente a mesma do sal refinado comum. A cor rosada decorre da presença de impurezas.

Em tese, o sal do Himalaia vem de minas no Paquistão (distantes uns bons 300 quilômetros da cadeia montanhosa). Uma breve pesquisa sobre as minas em Khewra vai apontar diversas reportagens a respeito de trabalho infantil e/ou análogo à escravidão, higiene precária e práticas ambientalmente condenáveis. Essas jazidas, dizem, são exploradas desde o tempo de Alexandre, o Grande. Haja sal.

Vendido inicialmente como algo raro e especial, o sal rosa hoje habita o bufê de salada de todo restaurante por quilo, ao lado do vinagre balsâmico. Aí tem coisa. Não encontrei ocorrências por fraude – compreensivelmente, as autoridades têm mais o que fazer.

O sal rosa tem o mesmo gosto do sal comum – salgado. Não existe indícios de que ele faça algum bem à saúde, além de suprir nossa cota de sódio. A cor diferentona desaparece no prato de comida.

Ainda assim você acha legal comprar sal do Himalaia? Me manda um inbox que eu tenho aqui uns kikos marinhos para vender.

Por Marcos Nogueira/Do cozinhabruta

Comente

© 2013 - Desenvolvido por Webmundo Soluções Web - Todos Direitos Reservados.